Contabilidade


A contabilidade é um instrumento que fornece o máximo de informações úteis para a tomada de decisões dentro e fora da empresa. Ela existe desde a pré-história, com uma evolução do pensamento contábil no século XV, quando surgiu o conceito de partida dobrada, ou seja, para cada débito haverá um crédito correspondente. Esta ciência auxilia as pessoas a controlarem seus patrimônios e tomarem decisões. Todas as movimentações no patrimônio de uma empresa são registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados registrados em forma de relatórios e os entrega aos interessados em conhecer a situação da empresa. Esses interessados, através destes relatórios, analisam os resultados obtidos e tomam decisões em relação aos fatos futuros.
O conhecimento sobre conceitos contábeis é fundamental para análise e interpretação de dados financeiros; planejamento e controle do patrimônio (pessoal ou empresarial); cooperação; e coordenação e comunicação com outras áreas da empresa. É com base nestes conhecimentos que você usufrui dos recursos contidos no aplicativo Cobertura Contábil.


Estrutura Patrimonial e o Processo Contábil

Aqui, serão demonstradas algumas definições de termos que, constantemente, você verá no sistema Cobertura Contábil, dentro da abordagem da estrutura do patrimônio.

Patrimônio

O termo Patrimônio, significa, a princípio, o conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou a uma empresa. Faz-se necessário evidenciar as Obrigações (dívidas) referentes aos bens e direitos. Na Contabilidade a palavra Patrimônio tem sentido amplo: de um lado, existe o conjunto de Bens e Direitos (Ativo) de uma pessoa ou empresa; de outro lado as Obrigações (Passivo) a serem pagas.

Bens

Entende-se por Bens as coisas úteis, capazes de satisfazer as necessidades humanas. Se eles têm forma física, são palpáveis, denominam-se bens tangíveis: veículos, imóveis, estoque de mercadoria, dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, etc. Os bens incorpóreos, não-palpáveis, são denominados de bens intangíveis: marcas, patentes de invenção, ponto comercial, etc.

Direitos

Em Contabilidade, refere-se a direito os haveres que temos contra alguma pessoa ou empresa. É o poder jurídico de exigirmos alguma coisa ou valor de alguém. São denominados de valores a receber, títulos a receber, contas a receber, etc. No que tange a empresa, o direito a receber mais comum decorre das vendas a prazo, quando a empresa vendedora emite uma duplicata como documento comprobatório da transação. Esse direito denomina-se Duplicatas a receber. Como exemplos de outros direitos podemos destacar aluguéis a receber, promissórias a receber, impostos a recuperar, etc. Automaticamente, se a sua empresa tem um direito, a outra tem uma obrigação.

Obrigações

Obrigações são dívidas com outras pessoas ou empresas. Em Contabilidade tais dívidas são denominadas Obrigações exigíveis, compromissos que devem ser pagos nas datas de vencimento. Uma obrigação exigível bastante comum nas empresas decorre da compra de mercadorias a prazo. Nesta operação a empresa compradora fica devendo ao fornecedor da mercadoria. Por essa razão, essa dívida é conhecida como Fornecedores, que também pode ser chamada de Duplicatas a pagar, contas a pagar, etc. Outras obrigações exigíveis: governo, através dos impostos a recolher; financeiras, com os financiamentos a pagar; INSS e FGTS, os encargos sociais a recolher; locador do prédio, de aluguéis a pagar.

Patrimônio Líquido

Para conhecer a riqueza líquida da pessoa ou de uma empresa precisamos somar os bens com os direitos, e desse total subtraem-se as obrigações. O resultado obtido será o Patrimônio Líquido. Em alguns casos, o somatório dos bens mais os direitos superam o valor das obrigações. Nestes casos, o patrimônio líquido destas empresas é positivo, ou seja, há verdadeira riqueza, conforme exemplo abaixo. Noutros casos, porém, quando as obrigações superam os Bens e Direitos, o patrimônio líquido será negativo, não havendo riqueza.

Exemplo:
Ativo Passivo
Bens Obrigações
R$ 100.000,00 R$ 90.000,00
Direitos Patrimônio Líquido
R$ 50.000.00 R$ 60.000,00


Análise:
Patrimônio Líquido = (Bens + Direitos) - Obrigações
Patrimônio Líquido = (100.000,00 + 50.000.00) - 90.000,00
Patrimônio Líquido = R$ 60.000,00 (positivo)

Neste caso, significa que a empresa demonstra ter embasamento para honrar seus compromissos e ainda resta uma quantia positiva de R$ 60.000,00.

Demonstração da Estrutura Patrimonial

Podemos representar a estrutura do patrimônio da seguinte forma:

ATIVO PASSIVO
BENS OBRIGAÇÕES
Dinheiro Empréstimos
Estoque de mercadorias

Fornecedores

Veículos Financiamentos a pagar
Imóveis Encargos sociais a recolher
Máquinas Aluguéis a pagar
Ferramentas Títulos a pagar
Móveis e utensílios Promissórias a pagar
Obras de Arte Contas a pagar
Marca e patentes  
DIREITOS Patrimônio Líquido
Depósitos bancários

PL = (Bens + Direitos) - Obrigações

Duplicatas a receber
Títulos a receber
Aluguéis a receber
Impostos a recuperar
Investimentos bancários
Total do Ativo
(Bens + Direitos) =

Total Passivo
(Obrigações + PL) =

 

A parte positiva do patrimônio, por convenção, será sempre demonstrada do lado esquerdo, e a parte negativa, do direito. Assim, os elementos positivos do patrimônio são chamados de Ativos e os elementos negativos de Passivos.

Na estrutura patrimonial, o lado esquerdo será igual ao direito; isso se deve ao fato de o patrimônio líquido ser a diferença entre bens e direitos menos as obrigações.

Dinâmica Patrimonial

Para se compreender a dinâmica patrimonial é necessário conhecer o Método de Partidas Dobradas. Este método é utilizado quando ocorre um fato contábil na empresa e este fato deve ser contabilizado. A operação envolverá duas ou mais contas, seguindo sempre o conceito de que:

Para cada débito existe um crédito, e para cada lançamento a crédito ocorrerá um lançamento a débito.

Ou seja, a cada fato contábil existente na entidade, um registro contábil ou lançamento envolvendo duas contas são efetuados. O patrimônio líquido se altera a cada registro de fatos modificativos do patrimônio. Estes fatos são aqueles em que se envolvem receitas, custos e despesas. Ao abordar o patrimônio líquido sob o mais antigo conceito, a teoria diz que "as receitas são consideradas como acréscimos de propriedade e as despesas, como decréscimos. Assim, o lucro líquido, diferença entre receitas e despesas, é adicionada diretamente ao proprietário".

Para melhor entender estas alterações no patrimônio líquido devemos considerar, além das despesas, os custos das vendas e impostos. Assim, cada registro de uma receita aumentará o lucro líquido e cada registro dos custos das vendas, impostos e despesas diminuirá o lucro líquido. Como o lucro líquido é de propriedade dos acionistas da empresa e será adicionado na estrutura patrimonial, a cada registro de um destes fatos o patrimônio vai se alterando para mais ou para menos.

Centros de Custo


Em linhas gerais, a contabilidade de custos pode ser definida como uma ramificação da ciência contábil, capaz de gerar informações que visam auxiliar as tomadas de decisões internas da empresa por meio do gerenciamento dos diversos custos identificáveis da companhia, ou seja, o centro de custo é uma maneira eficiente de agrupar despesas e receitas, para uma melhor análise de partes do negócio.

 

Plano de Contas


O Plano de Contas é o agrupamento de todas as contas que são utilizadas pela contabilidade dentro de uma determinada empresa. Os fatos contábeis são registrados em contas que os caracterizam, portanto um "elenco" de contas é fundamental para sua estrutura. O plano de contas deve ser customizado para a empresa, para estar adequado dentro das necessidades da mesma; deve conter as contas que serão utilizadas no momento e que, posteriormente, serão necessárias em decorrência das operações que a empresa desenvolve ou venha a desenvolver.
Na prática, o Plano de Contas é numerado ou codificado de forma racional, o que facilita a contabilização por meio de processos mecânicos ou processos eletrônicos.

Informações necessárias para entender o plano de contas:

  • Código: Numeração das contas para uso em sistemas informatizados;
  • Descrição: Expressão que identifica o componente patrimonial;
  • Nível:
    1 Identificação dos Recursos;
    2 Grupo de Contas;
    3 Subgrupos de Contas;
    4 Contas;
    5 Subcontas.
    Este nível pode continuar deixando cada vez mais analítico o detalhamento dos lançamentos.
  • Saldo: Identifica a característica do saldo de cada conta:
    D: Saldo Devedor;
    C: Saldo Credor;
    D/C: Pode haver tanto saldo devedor, quanto credor.
     

Natureza de Lançamento


 A Natureza de Lançamento é utilizada para classificar o tipo de movimento financeiro realizado em cada lançamento, ou seja, é uma forma de classificar os títulos de forma que, através desta natureza, seja possível um melhor controle do que foi pago e recebido pela empresa. Podendo ser uma despesa, custo, receita financeira, receita operacional e etc., sendo utilizadas diretamente no processo de integração contábil. 


Natureza de Operação


  A Natureza de Operação Fiscal é um código utilizado no Brasil para classificar legalmente os itens da Nota Fiscal em relação ao tipo de operação que está sendo realizada (origem, destino e uso das mercadorias).

   

Lançamentos de Provisão


As Provisões são obrigações com quantia e data de vencimento incerto. Já a contingência é uma uma obrigação que será confirmada através de um acontecimento posterior, e também as que serão classificadas como Passivos Derivados de Apropriação por Competência (Accruals). Desde 2009, as provisões para 13º salário e férias, Imposto de Renda e Contribuição Social são tratadas como Passivos Derivados de Apropriação por Competência (Accruals) que são passivos a pagar por bens ou serviços fornecidos ou recebidos, mas que não tenham sido pagos, faturados ou formalmente acordados com o fornecedor, incluindo valores devidos aos empregados (por exemplo, valores relacionados de férias). Embora algumas vezes seja necessário estimar o valor ou prazo desses passivos, a incerteza é geralmente muito menor do que as provisões.


 

Conta Transitória


As Contas Transitórias são usadas para compensar lançamentos de reconciliação em contabilidade financeira. Se tiverem sido feitas alocações interempresarias, válidas para várias áreas funcionais ou válidas para várias divisões, serão necessárias contas diferentes.
Em prática, existem contadores que, por opção, preferem que no momento da baixa de um título o lançamento dessa baixa (seja esta do Contas a Receber ou do Contas a Pagar) não seja contabilizado diretamente na conta bancária. Isso ocorre geralmente quando a empresa deseja aguardar que o valor pago tenha sido compensado no banco (um cheque por exemplo) para transferir aquele saldo para a conta contábil referente ao banco. No módulo Cobertura, este lançamento é realizado em uma conta chamada de "Conta transitória". Depois de realizada a conciliação daquele movimento no disponível (FinDisponível.exe) é feita a transferência da conta transitória para a conta do banco (conta movimento).




Fonte: MACHADO, VÂNIA DE ALMEIDA SILVA. Contabilidade aplicada à administração. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2015. 192p.